Essência

janeiro 15, 2008

ESSÊNCIA
Zelisa Camargo
Lucia Trigueiro

Queira-me pela minha essência
Pela minha alma.
Minha face obscura não
 reflete no espelho.
Veja-me como
formas eternas imutáveis da realidade
qualidade inerente ao Ser 
símbolo qualitativo
 O corpo em que habito não é meu
os passos que caminho
não me pertence.
Sou árvore floresta
óleo fino aromático
separada da realidade existencial
Estou além desta matéria.
Tenha-me como pássaro livre.
Sem pés mãos e corpo.
Sou impulso emissor
sou a lua que ilumina o céu noturno
lua cheia crescente na quietude
 minguante em decadência do egoísmo
lua nova renascendo
longe do mundo profano
Sou o vento que sopra alma.
Sou voz que ecoa no espaço..
Sou caminhante das nuvens.
 Liberta de toda carcaça.
Livre como a água do rio
 que corre para o mar.
Um dia minha face verdadeira
chegará a você.
Sou substância
 brisa
como plasma modelando
 do destino a felicidade
da vitalidade a ação
 formado de um corpo com essência moral
O casulo ainda não rompeu.
A borboleta ainda não se despontou.
Sou apenas fragmentos…
Queira-me sem rosto
Sem mãos  pés.
Queira-me apenas pela essência.
Queira-me toda
Não fragmentos de mim.
Retorno à vida flutuando no ar
 natureza moral
espírito motor
explodindo em estilhaços
trazendo Paz e Amor
Um dia
Deparo-me com você.
A redoma limita o amor emanar.
Com  força moral espiritual
o amor com Deus tem princípio
 adesão Universal
A carcaça falsa não permite ser amor.
Onde há mentira
 deturpa  viola
dissimula o verdadeiro sentimento
Deixe-me ser primeiro.
Deixe-me buscar
 minha verdadeira face.
Mas… hoje habito uma carcaça
que não é minha.
Dê-me tempo para ser.
Pois hoje flutuo no espaço sem tempo
Mas o que importa é que
Estou renascendo …
Saindo do mundo exterior
 vindo à luz  novo alento
nova vida
com amor  sabedoria
 elevação serenidade de espírito
razão  reflexão do entendimento
tendo complacência
clemência misericórdia
para aqueles
 que se perderam no caminho.

Anúncios