Chuva de lembranças

fevereiro 8, 2008

Chuva de lembranças
Roberto Passos do Amaral Pereira

Uma chuva cai …
numa manhã de primavera
desnuda a cidade,
revela todas as verdades das lágrimas contidas
e disfarçadas nas s alamedas e avenidas.
Evidencia poesias
saudades adormecidas
alegrias e magias
de uma grafia a quatro mãos
em um recanto à beira – mar.
Sol e lua em comunhão.

Uma chuva cai …
molha a minha memória
renova o cheiro do café da manhã a dois: seis gotas de adoçante.
Depois, instantes de afinidades e cumplicidades.

Uma chuva cai
em minha alma nua
inaugura doces sentimentos esquecidos
provocado pelos vírus da loucura do dia – a – dia.
Surge ruas da minha infância
e um ser criança que tanta falta me faz.
Um chuva cai
quando ela passar
deixará um vazio em meu coração.
restará então,
chuva de verão.

Anúncios