Como dois passarinhos

janeiro 21, 2008

Como Dois Passarinhos
Arneyde T. Marcheschi
Como dois passarinhos,
nos escondemos no ninho,
em busca de equilíbrio,
na silenciosa eloqüência
da noite calma e serena.

Não é fácil esquecer o
vicio da paixão,
preencher o vazio que nos
enche o coração de
desilusão.

Passada a tempestade
saímos voando lépidos,
voando pelas varandas coloridas
de nossos lábios
bebendo das fragrâncias vazadas
de nossos apaixonados corações.

Alçamos voo mais alto
e passamos por lugares
onde nos amamos e você
sussurrando: te amo, me
beija sem se importar
com o canto da cotovia,
ali a nos espreitar.

Nossos beijos de mel
atraem os beija-flores,que
ali vão em busca de amores.

Contemplo os colibris
sugando os ares do céu
sugando nas flores o mel
para nos lábios da amada
suavemente depositar.

Sim, como dois passarinhos
saímos em alvorada
buscando o calor do sol
para aquecer nossa paixão
nos beijando, ouvindo
nossa preferida canção.

Esquecendo nossas rugas
que transformaram nossos
momentos em tristes
horas de amarga crise.

A chuva passou, e a
calmaria trouxe de volta a
paz e magia dos seus olhos
renovou minhas esperanças
de que foram apenas alguns
pingos de chuva, que
molharam nossa noite de amor.
 

Anúncios

Dolorida reflexão

janeiro 9, 2008

Dolorida Reflexão
Arneyde T. Marcheschi
 
 
 Noite silenciosa
mar calmo, lua cheia
gaivotas que voam graciosas…
Areia morna
corpo ardente
desejos insanos
vida mal resolvida
coração que pulsa
medo e angústia…
Boca que procura
lábios ardentes…
Maltrato o corpo
canso a mente
te busco em vão…
Dentro de mim o vazio…
Só o pulsar de um coração,
e o gemido de uma alma dolorida…
Pesados, penosos e tristes,
o ontem e o hoje se unem,
legando-me somente…
 pranto,  saudade e solidão…

Se por acaso eu fosse…

dezembro 27, 2007

Se pôr acaso eu fosse….
Arneyde T. Marcheschi
 
Se pôr acaso eu fosse como o vento
que pudesse voar livremente
dono dos meus pensamentos….pensaria muito antes de lhe deixar…
Se pôr acaso eu fosse como as nuvens
eu correria sempre em outras direções
atras da felicidade
deixaria de lado a insanidade
Seria pura audácia
soltaria a coragem reprimida
sem medir as conseqüências
e me deliciaria somente com o seu prazer.
Se pôr acaso eu fosse corajosa
eu iria de encontro a você
e me entregaria sem pensar,
seriamos descobridores
de nossas aventuras.
viveríamos ora felizes,
ora descrentes de um mundo azul,
mas lado a lado venceríamos todas as barreiras.
Hoje me transformei
hoje sou vendaval, e me curvo lentamente o abraço
peço para você  me beijar
e o acaricio somente com o
pensamento de fazer você ficar…
de deixar eu amar você
de toca-lo e viver a realidade
sem medo nem  sufoco,pois nos
seus braços encontrei a
magia e sedução que tanto busquei….

Caminhos

dezembro 20, 2007

Caminhos
Arneyde T. Marcheschi
 
Estradas floridas que nos convidam
a contemplar a beleza da natureza
em delírios, sonhos, devaneando,na
perfeição de um novo amanhecer na
suave essência das flores.
 
Na existente estrada da vida,
tento voltar ao passado
brincadeiras, sorvetes, folguedos
cantos a embalar sonhos infantis
que vivia a fantasiar.
 
No passado menina,hoje mulher madura
as recordações se revelam,
na passarela do tempo,desfilam
o ontem,trazendo mil recordações
das manhãs ensolaradas nos jardins a gracejar.
 
Hoje percorro outros caminhos,
caminhos que enveredamos
na tentativa de descobrir
quem eu era..de onde vim…
para onde vou…
 
Caminhos que nos levam
a missões para serem cumpridas
e na maioria das vezes
nos desviamos,pegando atalhos
para encurtar a longa caminhada
e acabamos atropelando nossos
sonhos, na presa de ir…
 
Ao lado,passam crianças correndo
para a escola, para casa,
tem um destino certo, definido,
não se preocupam com nada,
os pais já determinaram a estrada,
felizes sem errar o caminho
vão a vidinha gostosa vivendo.
 
Eu que sempre fui apressada,
hoje cansada,parada,calada
suspiro,transpiro,
faço minha caminhada ao inverso
tentando descobrir, aonde foi
que me perdi..que me escondi…
saudosa das estradas que não fiz
dos caminhos que não percorri
da beleza que não vivi…